A ambição não está para além do bem e do mal


Rafael Machado

A ambição… é um dos principais traços que distingue os humanos dos animais. É o que nos faz chegar mais longe, pensar mais fundo e evoluir mais depressa do que as outras espécies. Porém, a ambição em demasia leva, por vezes, a atos de tirania causando muitos dos maiores problemas da humanidade.
Uma das principais razões que me leva a dizer que a ambição é o grande motor das conquistas é o facto de, associada com a coragem de muitos homens e mulheres, nos ter “levado” a descobrir lugares a que nunca pensámos que conseguiríamos chegar, assim como foi o motor por detrás de muitas descobertas de grande importância científica. Um dos maiores exemplos de ambição científica encontra-se na Nasa. Esta agência espacial norte-americana está e sempre esteve disposta a arriscar a vida dos seus astronautas pelo bem maior: a evolução da humanidade.
No entanto, da mesma forma que a ambição está por detrás de todas as maiores conquistas da humanidade, está também por detrás de todos os seus maiores atos de tirania. Todas as guerras que já passaram por este mundo tiveram como “acendalha” a ambição. A ambição de ser mais rico, de ter mais terras, de ser mais poderoso ou até a de ter a sua própria “raça”. Um dos exemplos mais claros desta tirania encontra-se relacionado com Adolf Hitler, assim como todo o movimento nazi que, infelizmente, ainda perdura nos dias de hoje. O que Hitler pretendia era que todo o mundo se curvasse a ele; porém, o lado mais cruel de tudo isto era o facto de ele querer formar uma raça de humanos perfeitos, os arianos, o que resultou na morte de milhões de inocentes.
Em suma, apesar de a ambição ser claramente uma das principais razões da sobrevivência, poderá ser, também, uma das principais razões da sua queda...