Em terras dos Vikings


Cármen Santarém

No âmbito do projeto Erasmus +, "Being a European: Find your way to the future - School, Job and Life in Europe", a terceira mobilidade "Transnational learning activity" ao estrangeiro foi à Suécia, entre os dias 23 e 30 de setembro. Desta vez foram contempladas as alunas Alexandra Domingues Nogueira, Maria Beatriz Valente de Almeida e Silva, Rafaela Alexandre Vaz, Sofia de Oliveira André e Victória Louro Alves Ruivo.
A primeira paragem foi na capital, Estocolmo, que foi estabelecida pelos "Vikings" no Séc. XIII; visita obrigatória foi ao antigo centro da cidade Gamla Stan: as ruas estreitas, as casas pequenas e coloridas dão-lhe um caráter único. Uma viagem de barco levou-nos ao Museu Vasa na ilha de Djurgården; neste museu encontra-se o único navio de guerra do século XVII existente no mundo, que se afundou em 1628 e foi recuperado em 1961; é arrebatador estar em frente a este tesouro artístico. Entre exposições e visitas ao Palácio Real, Storkyrkan, à catedral de Estocolmo, Stadshuset e à Câmara Municipal de Estocolmo, o dia acabou com Fika, uma "Instituição Social", que é um momento de socialização com café e um "Kanelbullar", um bolo tradicional com canela e cardamomo.
De Estocolmo fomos para Västerås, onde as famílias esperavam as nossas jovens com destino a Surahammar.
A escola Hammarskolan recebeu os alunos alemães, holandeses, gregos e portugueses, onde ao longo de uma semana se realizou o trabalho de projeto: preparação e candidatura a um estágio numa empresa sueca (as empresas ABB e Bombardier foram visitadas); preparação de entrevistas de emprego/treino de competências de comunicação; gravação das entrevistas; seleção das melhores entrevistas.
Mas como estes projetos não são só feitos de trabalho, os suecos não descuraram a parte cultural e histórica.
Em Västerås visitámos a primeira escola secundária da Suécia Rudbeckianska Gymnasiet, que foi fundada pelo bispo Johannes Rudbeckius em 1623; muito "instrutivo" foi a visita à prisão da escola Proban, uma cela subterrânea minúscula para alunos e professores (padres) que negligenciavam os seus deveres (falta de cumprimento de regras); seguiu-se a Catedral luterana (séc. XIII) e parte da cidade antiga.
A comunidade Surahammar está inserida numa paisagem deslumbrante, e foi este o cenário no qual os jovens praticaram canoagem, alguns até se atiram-se de uma torre para a água gelada para um refrescante banho, jogaram, brincaram e acabaram o dia com um reconfortante churrasco ao pôr do sol. Parte deste programa cultural foi também a visita ao Centro Comunitário, ao museu de motas e carros MC Museet Gyllene Hjulet, ao museu de história Stenhuset, à Estação de Tratamento de Águas Residuais e à fábrica de ferro Surahammars Bruk.
E como disseram as nossas alunas - "Voltámos desta viagem com o coração cheio e com muita vontade de voltar a repetir." ..."Faz-nos crescer, ver o mundo com outros olhos, aproveitar coisas da vida que de outra forma não aproveitaríamos. Participem. Arrisquem. Explorem. Aventurem-se. Digam que sim."